Jovem sócio fundador João Pedro Ferreira e sócio fundador / vice presidente Adalberto Ferreira premiados no nacional ornitologico 2017

12-12-2017 12:08

Mais uma vez o nome ATM surge nos lugares cimeiros da ornitologia nacional pela mão dos nossos sócios,

o jovem sócio fundador da ATM João Pedro Ferreira (STAM 050N) alcançou o

3º lugar com crested variegado melanico, 

 

e o sócio fundador / vice presidente da ATM Adalberto Ferreira (STAM 500A) alcançou o

2º lugar com  Lizard prateado sem calota ou quase sem calota
3.º lugar em Lizard prateado com calota perfeita ou quase perfeita

Jornal a Voz Trás os Montes 28/12/2017

 DEPOIMENTO

__________________________________________________________________

João Ferreira natural do Cartaxo e jovem estudante de Vila Real, explica que gosta muito de aves e que aprendeu esta arte sobretudo com o seu pai e com outros grandes criadores nacionais. Foi através do pai que apanhou o bichinho de criar aves porque sempre existiram em casa. “Gostei dos pássaros do meu pai, do canto, das cores, do seu comportamento e de os ver crescer”. Cria cardinalitos e canários crest, raças diferente das aves do pai e gosta de aves com cores vivas e de desafios.  Sócio fundador da ATM, é um dos mais jovens sócios desta associação e o único jovem da ATM premiado no nacional e orgulha-se do feito, mas confessa que sem a ajuda do pai e seus ensinamentos nada disto era possível. Já tirou mais prémios noutros campeonatos,  como na Ornishow e no Festival Ornitológico Transmontano: 1º lugar no ano passado com cardinalitos e este ano com crested. Contribui sempre que pode para ATM, para a sua divulgação e dá a cara pela associação.
 
Adalberto Ferreira alcançou este ano um 2º e 3º lugar no nacional, mas é campeão nacional com canário lizard” no ano 2016, ano 2014 e 2013. É o criador mais premiado da associação e concorre a vários campeonatos a nível nacional tirando sempre prémios, como por exemplo na Ornishow, no Festival Ornitológico Transmontano, campeonato Vale do Ave entre outros.
 
Adalberto Ferreira explica que cria aves desde criança e tal como o seu filho aprendeu a arte com seu pai, avô e familiares que criavam aves. “O gosto e a curiosidade levaram-me a procurar e saber cada vez mais”. Natural de Santo Tirso foi lá que começou a dedicar-se a criar aves fazendo-se com tenra idade sócio do Clube Ornitológico de Santo Tirso para ter o seu STAM. Vive em Vila Real e com a ajuda da esposa Elsa Ferreira e de outros criadores (Ricardo, Paulo) fundou a ATM, (Vice Presidente da direção ATM desde a sua fundação em 2012),  já que não existia nenhum clube nesta área que apoiasse os criadores transmontano. É considerado por muitos sócios e amigos o “motor” da ATM, mas modesto como é diz que “contribui como pode, com prazer e dedicação a uma causa: às aves e ao crescimento da associação e com a ajuda da equipa ATM concretizei o objetivo de um campeonato na região transmontano, o Festival Ornitológico Transmontano”.
 
Adalberto explica que para se ser criador de aves tem de se gostar muito, de ter paixão pelas aves e pela sua companhia. Criar aves é um hobbie como tantos outros, a diferença é que requer muito tempo e dedicação. É uma prática amadora que em muito contribui para a ornitologia nacional. “Já criei diversas espécies de aves mas, desde 2007 fascinei-me pelos canários lizard, pelo seu belo desenho e a dificuldade em se obter aves perfeitas”. O Lizard é a raça de canários mais antiga que se conhece, pelo que se sabe apareceu primeiro em França tendo sido depois levado para Inglaterra que é atualmente designada pela "Casa Mãe da Raça", sendo hoje o Lizard designado como uma raça inglesa. Criar Lizards para exposição é uma tarefa difícil que exige conhecimentos técnicos da raça (standard) e conhecimento de genética da ave, de forma que os acasalamentos realizados resultem em pleno. Assim deve-se ter em conta: quais os tipos de plumagem, o grau de oxidação das melaninas, a pureza do lipocromo. Participar em campeonatos trás vantagens aos criadores, além dos prémios que podemos obter, ganhamos CV ornitológico, ficamos a saber a real qualidade das aves, valoriza o valor comercial das mesmas, ganha-se prestígio e nome no mundo ornitológico, trocam-se experiencias e conhecimentos sobre criação, e acima de tudo convívio e passagem de bons momentos com outros criadores de aves. “Desde 2009 que comecei a participar a sério em campeonatos ornitológicos, a conseguir prémios e felizmente tem corrido muito bem.” Dedica-se também à comercialização de produtos ornitológicos e é representante da Legazin na zona transmontana, uma forma de amortizar o investimento e sustentar o hobbie de que tanto gosta, explica. Está sempre presente na feira dos passarinhos ATM no 2º e último sábado de cada mês no Mercado Municipal de Vila Real.
 
Dá um pequeno balanço do Festival Ornitológico Transmontano que decorreu no último fim-de-semana de Novembro em Vila Real, como sendo a melhor edição que ficará na memória dos expositores e visitantes, muito graças à equipa responsável pelos shows/palestras de aves e de répteis (Elsa Ferreira da ATM/organização do festival e Joana, Pedro e Adriana da Algarve Animal Expert) que em muito animou e dinamizou o festival deste ano, grande responsável pelo “boom” substancial de visitas e claro ao marketing feito pela Elsa da direção ATM. Agradecemos em especial o apoio do Município de Vila Real, Junta Freguesia de Vila Real, Hotel Miracorgo, Residencial Clássico e Orniex, entre outras entidades locais.
 
Para ser criador federado tem de se ter STAM ou seja, ser sócio de uma associação ou clube ornitológico.  Para ser nosso sócio da ATM basta ir ao nosso site e preencher o formulário on-line ou contactar-nos. www.associacaoornitologicaatm.com.